Cursos de Idiomas
Curso de Libras para ouvintes

       Obter fluência em um idioma só é possível se tivermos comprometimento com o ensino e prática orientada desta segunda língua!

           O Instituto Ladd reuniu professores certificados e com larga experiência no ensino de Língua Brasileira de Sinais para ouvintes que buscam a habilidade de se comunicar com pessoas surdas, através da Libras. Para isso, nossos cursos contam ainda com material próprio, textos autênticos, plataforma interativa, além de momentos de interação com nativos da língua.

           O Ladd respeita o desenvolvimento de cada pessoa, por isso, nossos cursos estão organizados para que a fluência na comunicação em Libras se dê de forma sólida e gradual, contando com níveis Básico - Intermediário e Avançado. Através de uma abordagem comunicativa de ensino da língua de sinais, o aluno concluinte do nível avançado estará apto a apresentar, conversar e debater sobre os mais diversos temas.

Neste momento de distanciamento físico, estamos oferecendo cursos online de Libras para pessoas ouvintes. Entre em contato para saber mais!

 

Para saber mais!

O que se aprende em cada nível?

           De acordo com estudos de Sousa et al (2020), existem objetivos a serem atingidos em cada nível de uso da língua de sinais como L2 - segunda língua. O Instituto Ladd busca, por meio da estruturação das atividades e propostas de uso da Libras, vencer cada etapa. Considere um semestre para cada nível A1, A2, B1, B2, C1 e C2. Mas, vamos ao que interessa. Observe a tabela abaixo a qual traz resumidamente as habilidades que serão desenvolvidas nas aulas de Libras no Instituto Ladd:

 

 

            Você sabia que a língua de sinais não é universal? Então, por via de regra, cada país desenvolve uma língua de sinais que reflete a cultura local da comunidade surda que ali vive. Sendo assim, existem várias línguas de sinais pelo mundo! E, por mais que algumas sejam bem parecidas (resultante, muitas vezes de intercâmbios culturais ou ainda proximidade territorial), cada uma é construída pela perspectiva do usuário local. Diante disso, podemos entender porque a nossa é a Língua Brasileira de Sinais. Se estudarmos, iremos perceber aproximações com a Língua de Sinais Francesa e com a Língua Americana de Sinais… mas esses detalhes vemos no curso! Vem conhecer mais!

Captura de Tela 2021-07-06 às 18.40.53.png
curiosidades ladd.png

CuriosidadeLadd

Cursos de Idiomas
Curso de Português escrito para surdos(as)

     A Língua Portuguesa (LP) escrita tem a função de língua de leitura para as pessoas surdas usuárias de Libras no Brasil. Mas o que isso significa e como trabalhar respeitando a visualidade desses sujeitos?

     O INSTITUTO LADD compreende as particularidades do trabalho da LP a partir da visualidade e da cultura surda.

     

     Por isso, reuniu profissionais inovadores e reconhecidos pelas práticas diferenciadas na atuação com crianças, adolescentes e adultos, os quais sabem que o aprimoramento da segunda língua de um indivíduo surdo passa por reflexões sobre o uso desta na sua vida social e acadêmica, sobre quais habilidades necessitam e têm a possibilidade de serem desenvolvidas. Este planejamento pedagógico não pode ser estanque, limitado, mas precisa ser real, para que o ensino tenha significado para os estudantes.

 

     Acreditamos que um trabalho integrado respeitando o status linguístico da LIBRAS como L1 da Comunidade Surda significa trazer elementos da Cultura Surda para o ambiente escolar, principalmente para a sala de aula de Língua Portuguesa. Sendo assim, ofertamos (em breve!) cursos para turmas de surdos e aulas individuais para uso da LP escrita em contextos específicos.

     Para saber mais!

     De onde vem essa história de “língua de leitura”?

     Em 2014, no Brasil, foi publicada a  Política Linguística de Educação Bilíngue – Língua Brasileira de Sinais e Língua Portuguesa, fruto de estudos de um grupo de pesquisadores surdos e ouvintes da área da Educação de Surdos. Entendendo a LP como “língua de leitura” para os surdos (MEC/SECADI, 2014, p. 12), o documento corrobora as ideias dos PCN ao determinar o foco do trabalho com a língua em prol da ampliação das competências linguística, textual, discursiva e comunicativa. No caso dos surdos, existem diferenças nas competências a serem alcançadas, pois a LP se dá como L2M2 e não como L1.

 

     O ensino de LP, para o Grupo de Trabalho responsável pelo documento, precisa, sobretudo, respeitar o status linguístico da Língua Brasileira de Sinais na Comunidade Surda, sem prejudicá-la em favor da língua oficial do nosso país.

     Quer dar uma olhada no documento completo?

     MEC/SECADI. Relatório do Grupo de Trabalho, designado pelas Portarias nº 1.060/2013 e nº 91/2013, contendo subsídios para a Política Linguística de Educação Bilíngue – Língua Brasileira de Sinais e Língua Portuguesa, 2014.

 

           

                     Você sabia que a Língua Portuguesa escrita não pode ser substituída pela Libras?

                Pois é, ainda estamos nesta luta para encontrarmos uma forma de registro que possa ser tão valorizada quanto a LP escrita no Brasil. As opções de sistemas de notação da LIbras (SW, Ellis, entre outros) não são aceitos, nem mesmo incentivados a sua aprendizagem nas escolas, nos dias de hoje.

                 Ao mesmo tempo que precisamos buscar formas de registro da Libras, para que a Língua Brasileira de Sinais tenha mais esta ferramenta de análise linguística e presença atemporal, o INSTITUTO LADD entende que o desenvolvimento da LP escrita é uma forma de empoderamento surdo, para travar tantas batalhas individuais e coletivas.

Entre em contato conosco!

curiosidades ladd.png

CuriosidadeLadd